Créditos das imagens :    NASA / JPL / ESA / J.Garrido

 

 

PLUTÃO é dos mais pequenos objectos do sistema solar. Planeta (ou Plutino) exterior, o 9º a partir do Sol, tem dimensões reduzidas. 

Diâmetro equatorial: 2.300 Km

Volume: 6.390.000.000 Km³

Massa 13.000.000.000.000.000.000 Toneladas

Distância ao Sol :  5.100.000.000 km

Período de translação em torno do Sol : 247,7 anos

Inclinação da órbita: 17,2 º

Composição da atmosfera de Plutão : Metano; Nitrogénio (Azoto); Monóxido de Carbono

Satélites: 1 Charon (e provavelmente + dois:  S2005 P1 ; S2005 P2 )

 

COMPARAÇÃO DAS DIMENSÕES DA LUA E DE PLUTÃO
LUA PLUTÃO

 


 

A DESCOBERTA

DE

PLUTÃO

 

Plutão foi descoberto em 18 de Fevereiro de 1930, por Clyde Tombaugh, um astrónomo amador  que tinha sido contratado pelo director do Observatório Lowell Dr. Vesto Slipher para trabalhar com uma máquina fotográfica nova, numa tentativa para descobrir um novo planeta, para lá da órbita do planeta Neptuno, pois o Dr. Percival Lowell, fundador daquele observatório detectara irregularidades na órbita daquele planeta, que, por sua vez tinha sido descoberto em 1846 por irregularidades na órbita de Urano  .

Plutão, foi o nome sugerido em 1919 ao Dr. Lowell por uma criança de 11 anos a Venetia Burney, em duas cartas que escreveu-lhe de Oxford, quando soube que ele calculara a existência de um novo planeta no sistema solar mas que não sabia que nome atribuir-lhe quando fosse descoberto.

 
Clyde Tombaugh
Dr. Percival Lowell

 

Presentemente, há  dúvidas quanto à natureza de Plutão ! Se será um planeta do sistema solar ou se será um planetóide ou plutino que fazia parte da cintura de Kuiper, e que terá sido desviado da trajectória original por forças gravitacionais de Urano e Neptuno ou por um cometa gigante.

 
Acima, imagens de Plutão captadas pelo telescópio Hubble

 

 


 

Face aos elementos conhecidos, foi possível determinar a composição química de Plutão.

Com efeito, Plutão é composto por uma superfície gelada composta por CO, N2, CH4.  

A superfície gelada envolve uma grande massa de água congelada H2 O.

Abaixo da enorme massa de água congelada encontra-se um núcleo rochoso constituído essencialmente por irídio.

 

 

A evidência de atmosfera em Plutão foi constatada em Junho de 1988, quando este "refractou" a luminosidade de uma estrela bastante brilhante, que estava em oposição. Foi então possível determinar que a composição atmosférica é basicamente constituída por Azoto, Metano e Monóxido de Carbono, com uma pressão atmosférica que varia entre os 3 e os 100 microbars e uma temperatura média à superfície de 220º negativos.

Julga-se que a ténue atmosfera de Plutão resulta da sublimação das suas superfícies geladas, provocada pela ténue luminosidade que chega do Sol e que origina ventos que transportam os gases da atmosfera para as regiões mais sombrias daquele objecto celeste.

 

 

Face a imensas dúvidas sobre a origem e a constituição de Plutão, a NASA decidiu enviar àquele planeta uma nave espacial. Os prazos inicialmente previstos para a missão, foram sucessivamente adiados devido a cortes orçamentais, estando finalmente concluída e preparada para partir em 2005.

Essa nave foi baptizada com o nome de NEW HORIZONS (NOVOS HORIZONTES), pretendendo-se que chegue àquele objecto do sistema solar em 2015.

O objectivo é o atingir Plutão no mais curto espaço de tempo e dirigir-se em direcção à "cintura" de Kuiper onde calcula-se que há milhares de pequenos planetas -planetóides ou plutinos- idênticos àquele corpo celeste, que envolvem o sistema solar.

 

Menu Plutão  

Os satélites de Plutão

 

Menu Principal